O Mani Mantra

Este texto é originalmente do meu professor de caligrafia tibetana, Tashi Mannox, e foi traduzido para o português livremente por mim com a autorização dele. Link original em inglês: The Mani Mantra

O Mani mantra de Avalokiteśvara arranjado em uma mandala de Lotus. Cada uma das letras é colocada em cada pétala começando por baixo contando no sentido horário: oṃ ma ṇi pad me hūṃ No centro da mandala é a sílaba semente HRIH. Copyright Tashi mannox 2011.

“Mani-wood” A famosa placa de Hollywood adaptada por Tashi em julho de 2009.

Diz-se que ao ver ou ouvir o Mani mantra: oṃ maṇi padme hūṃ nós nos libertamos do estado não iluminado da ignorância.

O significado do Mantra por Sua Santidade o Dalai Lama:

“É muito bom recitar o mantra oṃ ma ṇi pad me hūṃ, mas enquanto você está fazendo isso, você deve estar pensando no seu significado, pois o significado das seis sílabas é grande e vasto.
O primeiro, Oṃ simboliza o puro corpo , fala e mente de um Buda. Maṇi significa jóia, simboliza os fatores do método – a intenção altruísta de se tornar iluminado, através da compaixão e do amor. Padme  significa lótus, simboliza a sabedoria. Assim como um lótus cresce da lama, mas não é manchado pelas falhas da lama, assim a sabedoria é capaz de colocá-lo em uma situação de não contradição, enquanto que haveria contradição se você não tivesse sabedoria. … A pureza deve ser alcançada por uma unidade indivisível de método e sabedoria, simbolizada por Hūṃ que indica indivisibilidade …
Assim, juntas, essas sílabas significam que, dependendo da prática de um caminho que é uma união indivisível do método e da sabedoria, você pode transformar seu corpo impuro, sua fala, sua mente no puro corpo exaltado, a fala, a mente de um Buda.

A prática do Mani mantra  e como integrar a percepção pura em um caminho espiritual é explicada aqui.

No Tibete, montes inteiros são vistos como uma grande oportunidade de traçar enormes imagens do mantra sagrado, muitas vezes com pedras brancas. Acredita-se que tais construções são para emanar as bênçãos através da terra, se não como um lembrete constante do significado do mantra sagrado e positivo.

Um manto enorme de Mani mantra no leste Tibet.

O mantra também era comumente esculpido em pedras planas e empilhado em grandes montes que às vezes se estendem por uma milha ou mais. Como um ato de respeito, uma pessoa sempre passava com os mantras à sua direita, circulando em sentido horário.

Outras atividades devocionais tais como rodas de oração giradas pela mão cheias de mantras minuciosamente impressas em bobinas apertadas de papel, é considerado que com uma boa intenção e com o ato de girar a roda, o poder do mantra é ativado, assim eles proferem suas orações presas no vento.

Em nossos tempos modernos, o Mani mantra sagrado não poderia ser mais aplicável em significado e benefício. Pois o significado do Mani mantra está mergulhado em bondade amorosa e compreensão, cada uma das seis sílabas purificando e convertendo emoções negativas em sabedoria, que é uma base fundamental para nosso confuso estado de ser; só pode levar a um estado de espírito feliz.

Uma moderna roda de oração elétrica, feita pelo Pai de Tashi: jóias preciosas de Peter Mannox decoram os anéis do tambor entre os quais o Mani mantra é iluminado em letras Lantsa sânscrito de ouro.

Nosso mundo moderno também permite que as rodas de oração sejam conduzidas pela eletricidade. A roda de oração ilustrada acima, alojada no Templo Samye Ling, na Escócia, contém bilhões de Mantras em microfilmes. Para cada rotação da roda; Há sete mantras Mani dedicados a cada Ser Humano no planeta, a roda de oração gira continuamente dia e noite.

A versão escrita mais antiga do Mani mantra é conhecida nas formas Lantsha e  Sânscrito Wartu, usadas pelos monges budistas na Índia e no Tibete no século XI.

O Maní Mantra no antigo Wartu Sânscrito. © Tashi Mannox 2011

Lantsha Sânscrito Mani mantra. © Tashi Mannox 2011

O início da linguagem escrita tibetana foi desenvolvido para acomodar a migração dos ensinamentos budistas da Índia para o Tibete. Os manuscritos originais indianos foram descritos tanto em Lantsha como em Wartu, que eram fundamentais para a tradição textual budista e muito a sua identidade visual. De fato, Lantsha e Wartu ainda hoje são considerados uma língua escrita sagrada e clássica, que é freqüentemente defendida; Pintado em dourado no alto das paredes dos templos tibetanos, vigas e pilares.

Mani mantra organizado como um monograma, uma forma condensada e enrolada de Lantsha Sânscrito chamado Kutaksyar.
© Tashi Mannox 2011

Como a forma escrita de um mantra é considerada divina, houve muito cuidado e respeito ao traduzir sânscrito para tibetano. Além disso, a maioria dos mantras são traduzidos fonéticamente para o tibetano, mantendo o mais próximo possível da qualidade original do som, considerado parte integrante da prática de meditação a que pertencem.

O estilo de escrita clássico de Uchen é talvez o mais comum e reconhecível do Mani mantra em tibetano, um estilo de script muito semelhante em aparência ao sânscrito a um olho inexperiente, por isso é compreensível que o estilo de Uchen seja frequentemente chamado erroneamente ‘sânscrito tibetano’.

Mani mantra é uma forma adiantada do tibetano chamado High Uchen © Tashi Mannox 2011

Abaixo segue uma lista do mantra Mani nos principais estilos de escrita tibetana, estes são mostrados sem o tradicional ‘símbolo de título’ a adição desse símbolo não muda o significado do mantra.

Uma versão mais padrão do mantra Mani no script Uchen.
© Tashi Mannox 2011

Mani mantra estilo Tsugring (forma longa) © Tashi Mannox 2011

O Mani mantra estilo Tsugtung (forma curta) © Tashi Mannox 2011

Um estilo de escrita derivado do Leste do Tibete, Kham, chamado Petsug ou Khamyig – © Tashi Mannox 2011

Uma forma de escrita mais cursiva chamada Dru-tsa – © Tashi Mannox 2011

Um estilo rápido de escrita manual chamada Khyug – © Tashi Mannox 2011

O Mani mantra em três escritas diferentes, da esquerda para a direita: o mani mantra na primeira coluna verticalmente empilhados em Uchen, no meio o estilo Horyig para criação de selos de assinatura e na última colina o escrito Phags-pa – © Tashi Mannox 2011

Os escritos Horyig e Phags-pa estão relacionados aos povo mongol e foram desenvolvidos para o uso como selos na Mongólia, no Tibete e na China.

O mantra Mani tem se tornado nos últimos tempos muito popular como para design de tatuagem. Como o mantra é uma palavra sagrada, há orientações e conselhos sobre onde deve e não deve se colocar o mantra, isto não é apenas para proteger a integridade dos mantras, mas também para frear qualquer carma negativo para os outros e da direção do Mantra, tal como de cima para baixo ou de trás para frente.

No Comments

Post A Comment